Múltiplos Serviços

E se eu quebrar... O pior é quebrar o encanto.

A grande verdade é que a palavra “empresário” causa um fascínio enorme nas pessoas. É muito comum as pessoas sonharem com as conquistas dos empreendedores bem sucedidos. Carros, casas, muito dinheiro são palavras mágicas que dão à palavra “empresário” um toque místico, tornando o oficio, seja ele qual for, um prazer que trará outros prazeres e deleites. Um sonhador vive assim. Longe da realidade, seu mundo é o mundo dos sonhos, das fantasias e seus olhos não são capazes de observar os perigos e os riscos da vida empresarial. Ele sonha com um mundo melhor. Não, Não o mundo em que vivemos, mas o mundo em que ele mesmo vive. É um mundo a parte dos outros. Neste sonho ele se esquece que parte da sua vontade de viver também depende da vontade dos outros, porque todos ou maioria também quer viver, nem que para isso tenham que matar. E por mais que se diga alguém só faz alguma coisa se quiser. Mas, ele não se importa. Não, isto não é importante. Importante é o sonho. É voar alto, subir o mais alto que puder e de lá contemplar a beleza das riquezas. Não é preciso ser sábio, nem é necessário ter talento, e pra que escola? Tudo pode ser aprendido vivendo. Já dizia certo sábio “a vida ensina”. Ah! Como é lindo o mundo dos negócios. O ouro, a prata, posso ter tantas coisas. Minhas mãos suaves e delicadas tocando a seda, coitado do bicho da seda criatura vil, nasceu para me servir. E certamente ainda terei muitos a meu serviço. O sonho é bom, tira a dor, alivia a tensão. Mas como nada dura para sempre o sonho também acaba. A dor volta. É tão ruim quando o sonho caba. Não tenho medo de quebrar. E se eu quebrar... O pior é quebrar o encanto. E lamento por saber demais, talvez se eu soubesse menos sofreria menos. É muito triste quando lembro que: quem sabe menos das coisas sabe muito mais que eu. Mas agora o sonho acabou e como não conheço nada, vivo como um boçal a espera de um milagre. O milagre de que um dia tudo o que sonhei se torne realidade. Nunca fiz nada, mas fui à igreja um dia. E o clérigo disse com voz alta como que num cântico gregoriano: “Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará”. Minha mãe disse que isso foi tirado de um livro Santo. Agora estou aqui confuso. Perdido em sonhos e pensamentos. E sem saber o que falar nem tampouco o que fazer me bateu no coração um senso de realidae que não permite sonhar. Fiquei abatido porque estou ouvindo lá de fora a voz do meu amigo, que assim como eu, tem sonhos, e que participa comigo das mesmas aspirações, e até das angústias. Ele me convida a procurarmos o que fazer no mundo das realidades. É quando o sentido pela vida desvanece e a prostração aparece. Minha mente se põe a trabalhar e me diz: -alguma coisa precisa ser feita.
Rogério Loureiro para adminBrasil.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...